logo
Contato | Sobre...        
rebarba rebarba

Rodrigo Strauss :: Blog

Add to Google

Trabalhando como PJ ou como CLT

Eu trabalho atualmente como PJ (pessoa jurídica, emitindo nota fiscal), mas já trabalhei como CLT. A maioria das pessoas costuma discutir as vantagens e desvantagens das duas modalidades, muitas vezes sem saber a real implicação de cada uma. Vou mostrar alguns fatos sobre as duas modalidades, mas nada que esgote todos os detalhes do assunto.

PJ

  • Custo para empresa: somente o custo da nota fiscal e mais algum benefício que ela resolver dar. Eu conheço uma empresa que contrata como PJ, mas oferece férias remuneradas (você emite uma nota mas não trabalha) e 13º (você emite uma nota com o dobro do valor em dezembro). Eu tenho férias remuneradas, mas não tenho 13º, e isso muda de empresa para empresa. A maioria das consultorias (cuidado com elas) não oferece nada.
  • Custos para o "funcionário": O custo é de 13,33% por nota fiscal emitida (IRRF (4,80%), COFINS (3%), PIS (0,65%), CSLL (2,88%), ISS para empresa de software em São Paulo (2%)) mais o custo do contador (entre R$ 100,00 e R$ 260,00 por mês), para uma empresa LTDA. Alguns impostos são recolhidos mensalmente (como o ISS) e outros trimestralmente. Uma parte dos impostos trimestrais são retidos pela empresa pagadora de acordo com o valor da nota, senão você mesmo paga. Resumindo: é uma bagunça generalizada. Não vou começar um discurso criticando esse modelo tributário estúpido, remendado e sem sentido porque eu prometi para mim mesmo que não falaria de política no blog. Arrume um bom contador (de preferência por indicação) que resolva isso para você.
  • Salário: Geralmente maior do que quando se é CLT. Uma parte do que a empresa (note que eu disse uma parte) economiza com encargos é repassado ao salário. Varia entre 20% e 100% maior do que CLT.
  • Benefícios: Quase nada. Ao invés de ter o governo como um pai, dizendo o que você deve fazer com o que você ganha, você recebe tudo em dinheiro. Fica por sua conta fazer uma previdência privada, pagar plano de saúde, pagar sua alimentação, etc. Fazer uma previdência privada e ter dinheiro guardado são duas coisas muito importantes para quem trabalha como PJ. Se você não sabe administrar seu dinheiro, talvez seja melhor ser CLT e deixar o governo cuidar dele. Afinal, o governo é especialista em cuidar do nosso dinheiro (e pegar uma boa parte dele).
  • Garantias: Você tem as garantias que o contrato de prestação de serviço te dá. Não tem garantias da CLT como seguro desemprego, multas rescisórias, indenizações, aviso prévio etc. Geralmente é algo muito mais simples do que a mão pesada da CLT: "eu trabalho, você me paga, e só". Você pode ter desde nenhuma garantia, até 3 meses de notificação para cancelar o contrato. Se no contrato não diz nada sobre tempo de notificação para rescisão, a empresa pode te demitir hoje, dizendo que amanhã você não precisa mais aparecer. Mas, da mesma forma, você pode arrumar um emprego melhor e dizer que você pode começar amanhã (na prática costuma-se dar uma ou duas semanas de notificação). É recomendado pedir ajuda de um advogado para interpretar e ajustar o contrato.
  • Liberdades: Assim como as garantias, depende do contrato, mas geralmente são maiores do que o regime CLT - tanto para o "funcionário" quanto para o contratante. Você também tem a liberdade de ter a previdência e o plano de saúde que você quer. No caso da previdência, além das previdências privadas serem bem mais baratas, você pode pagar para ter um benefício maior do que o limite de R$ 2400,00 do INSS. Nesse regime a empresa tem facilidade para contratar e facilidade para demitir. Esse é um dos motivos pelos quais os profissionais desatualizados (e sindicalistas) não gostam do regime PJ, é mais fácil ser demitido por incompetência ou incapacidade. Mas também é muito mais fácil sair da empresa, pois não é preciso se preocupar com todas as burocracias da CLT (aviso prévio, homologação, exame médico, etc). Em um mercado dinâmico como o nosso eu acho isso importante. Conheço programadores que fecham projetos de 3 a 6 meses, a burocracia disso pela CLT seria um inferno. Como um PJ ganha por hora trabalhada, não existe o desconto do descanso remunerado. Quando você falta, deixa de receber somente aquelas horas, que podem ser compensadas outro dia.

CLT

  • Custo para empresa: Entre 130% e 230% do valor do seu salário. Isso mesmo, até 230% do seu salário! Por isso que as empresas relutam em contratar, porque o custo é excessivamente alto e a burocracia também. Como a burocracia é alta, a empresa também tem um alto custo administrativo.
  • Custos para o funcionário: Eu fiz uma simplificação da fórmula para calcular o salário líquido para quem ganhar mais que o limite do IR (2.326,00 e paga 27,5% de IR). A fórmula é (0,725 * salário bruto) + 238,00, e ela dá uma diferença de até R$ 10,00 para mais ou para menos. Mas é ótima para dar uma idéia do valor do salário e suficientemente simples para ser decorada. Pelo modo normal você tem que calcular INSS, limite de INSS, IR, etc. Note que isso não conta o IR que for restituído na declaração e que, além os descontos previstos nessa fórmula, a empresa pode descontar vale-transporte, vale-refeição e o plano de saúde.
  • Salário: Geralmente menor do que quando se é PJ, já que a empresa gasta bastante dinheiro com impostos e benefícios. Além do salário em dinheiro, esses benefícios devem ser levados em conta na hora de calcular o salário.
  • Benefícios: Geralmente muitos, a empresa passa a ser praticamente um pai. Você é obrigado a pagar previdência (o que seria bom se o custo/benefício da previdência do governo não fosse ruim), e muitas vezes recebe vale transporte, vale refeição, plano de saúde, etc. Apesar de ser aparentemente muito bom para o funcionário, isso aumenta bastante o seu custo e não permite o remanejamento desse dinheiro. Por exemplo, um funcionário que vai almoçar em casa não pode receber vale refeição em dinheiro, e um funcionário que já tem plano de saúde porque está como dependente do pai também não pode receber o valor do plano de saúde da empresa em dinheiro.
  • Garantias: Um mês de aviso prévio antes de ser demitido, a empresa é obrigada a pagar 15 dias do seu salário em caso de acidente (o resto é por conta da previdência). Você tem direito ao FGTS (que pode ser usado para compra de um imóvel), seguro desemprego, licença saúde e licença maternidade. Esses seguros são úteis para quem consegue pagar suas contas com o limite do benefício do INSS (R$ 2400,00). A garantia de emprego por ser CLT é uma ilusão, a empresa pode demitir da mesma forma. Como a burocracia e os custos para demissão são altos, a empresa evita contratar porque ela sabe que quando precisar demitir precisará passar por tudo isso.
  • Liberdades: Você tem o direito de trabalhar :-).

Note que não existe um regime melhor do que o outro, tudo depende do caso e da situação. Existem empresas que contratam como CLT e você recebe 17 salários por ano. O salário de um PJ é quase sempre maior do que um CLT, e você tem mais liberdade. É necessário fazer as contas e ver o que vale mais a pena.

Eu prefiro trabalhar como PJ porque acho importante ter liberdade, e prefiro pagar meu próprio plano de saúde e pagar minha própria previdência. Esse regime está longe do ideal, mas ainda acho o menos pior. Mesmo assim, se eu recebesse uma proposta CLT que fosse muito boa eu aceitaria. Tudo depende das condições e do mercado. Essa é a minha opinião pessoal, e não vale para todas a pessoas. Lembre-se que eu falei que alguém que trabalha como PJ deve ser razoavelmente organizado, e pagar sua própria previdência e plano de saúde. A CLT tem garantias muito importantes (exames médicos e seguros para o caso de doença), mas a tamanha burocracia dificulta muito as contratações. Chegamos a um ponto em que, apesar do imposto para PJ ser alto, ele ainda é menor do que o da CLT. Esse é o retrato do absurdo: é mais barato ter uma empresa do que ser um funcionário.

Não se esqueça que eu sou só um programador. Confirme esses dados com seu advogado ou contador antes de tomar alguma decisão.


Em 19/04/2005 15:53, por Rodrigo Strauss


  
 
 
Comentários
Fabricio Ferreira | website | e-mail | em 19/04/2005 | #
Já tive experiência com as duas modalidades de contratação. Hoje, trabalho sob o regime (de escravidão) da CLT, e todos os dias me questiono se isso é o melhor pra mim. Atualmente, como tenho um filho pequeno, e sou a única fonte de renda em casa, tenho tido receio em trocar para PJ.

Mas todo o santo dia, quando chego 1 minuto atrasado na empresa, e recebo um e-mail com cópia pra Deus e todo mundo, me dizendo que sou passivo de penalidades por isso, tenho vontade de pedir demissão na hora.
Gomes | em 19/04/2005 | #
Cara, eu pensei que ninguém trabalhava como PJ!!! Finalmente achei alguém!

Eu nunca trabalhei como PJ, sempre fui CLT!

Vou citar alguns benefícios da CLT:

-Certificações pagas pela empresa (só paga se passar é logico)
-Participação nos lucros, mixaria no meu caso deu uns 400 reais em 1 ano
-Eu trabalho nas eleições, então a cada dia trabalhado, eu ganho 2 dias de folga(4dias ganhei nessa última)! Muito bom isso!! Se fosse PJ tava fudido!
-Faltei 3 dias em 1 ano de trabalho, logicamente com atestado. Logo não foi descontado nada e a empresa pode dar até 15 dias de falta remunerada caso você sofra um acidente ou fique doente ou faça cirugia e etc.
-Se um projeto está atrasado, e tenho que trabalhar Domingo ou feriado, a empresa paga o dobro! Muito bom isso!

Logo, se for trabalhar como PJ tem que incluir todas essas despesas eventuais. Lembrando que como CLT você trabalha 11 meses por ano e recebe como 13 meses. Se for contar feriado e tal, acho que pode até chegar a 10 meses e recebe como 13 meses.


Rodrigo Strauss | website | em 19/04/2005 | #
Fabricio:
Eu também tenho uma filha pequena, e acho PJ seguro o suficiente, porque se eu encontrar um emprego que me permita dar melhores condições para ela eu posso aceitar rápido, sem ter aviso prévio e outras burocracias. E como eu disse, CLT não é segurança de emprego, ele podem te mandar embora da mesma forma. Mas eu preciso administrar meu dinheiro pq se eu for demitido não tem rescisão.

Quanto ao seu problema de horário, já tive esse problema como PJ (preciso dizer que pedi demissão depois de 4 meses?). PJ é um funcionário da mesma forma.

Gomes:
Não sei onde você mora (eu moro em SP), mas a grande maioria das pessoas que eu conheço trabalham como PJ. Uns amigos meus que trabalhavam como CLT migraram para PJ recentemente. Comentando o que você disse:

- Nem todas as empresas pagam certificação. Eu sou PJ mas acho que se eu conversar com o meu gerente eles pagam. Onde eu trabalhei como CLT eles não pagavam.
- Participação nos lucros não tem a ver com CLT, muda para cada empresa. Mas nunca vi PJ ganhar isso.
- Quanto às eleições, como PJ você pode fazer um acordo. Não é porque não existe uma lei exigindo que a empresa não pode te dar.
- Faltas por doença: isso também é relativo. Já faltei por doença em 2 empresas onde eu era PJ e ninguém descontou minhas horas. Isso é questão de bom senso, mas realmente, não é obrigatório e eles podem descontar.
- Esse é um GRANDE problema de PJ, ninguém paga em dobro, eu acho isso errado. Mas algumas empresas CLT te obrigam a colocar esse fim de semana em um banco de horas. E tem empresa que não paga mesmo, mesmo com a lei.
- Como eu disse, eu sou PJ e tenho férias remuneradas de 1 mês, e tem empresa que também paga 13º

Fabrício Carvalho Ferreira | website | e-mail | em 19/04/2005 | #
Pois é Rodrigo, eu moro em Porto Alegre. Por aqui, quem trabalha como PJ não tem muito suporte não. Férias, 13º, e outras coisas, são alegrias que somente CLT proporciona. Ouvi boatos de que isto estava mudando, mas não há nada confirmado ainda. Talvez seja por isso que eu não tenha conseguido sair da empresa onde estou. Devido ao fato de que não pagam estes benefícios para PJ (por aqui), tenho que acrescentar este valor em minha hora de trabalho. Isto acaba subindo demais o valor. Já fiz umas 10 entrevistas nos últimos 6 meses, e só não fechei nada ainda por causa do valor hora.

Um abraço,
Fabrício
Alexandre Tarifa | website | em 22/04/2005 | #
É realmente complicado, existem duas CLT´s pra mim:

CLT de pequena empresa:
- plano de saúde medíocre
- nada de cursos e certificações ( a não ser que você assine um contrato que não sai da empresa por um determinado tempo )
- ticket de R$ 5,00 (pra comer na padoca)
- participação nos lucros - é um jantar no final do ano, e olhe lá
- preocupação com 1 min de atraso
- faz questão do aviso prévio

CLT de grande empresa
- plano de saúde top
- previdência privada (3% do salário)
- cursos e certificações
- ticket de R$ 12 a 15 (isso engorda)
- Participação nos lucros de pelo menos 50% do salário
- horário flexível (claro q vc não vai chegar as 10 todo dia)
- aviso prévio, NEM PENSAR!!!
- 13º, 14º, 15º, etc
- hora extra 100% quando necessário além de despesas de combustível e alimentação (R$ 30,00)
- pagamento de parte da faculdade/pós
- inglês

Hoje estou na CLT 2, a de grande empresa mas sem 14º e 15º. Já surgiram oportunidades boas de PJ, mas ai coloco todos os benefícios no papel a acabo não saindo.

Mas por um bom valor hora (R$ 50,00) ai é de se pensar!!!

[]´s
Alexandre Tarifa
Rodrigo Strauss | website | em 22/04/2005 | #
Sim, tem CLT que realmente vale a pena. Só acho que esse negócio de "aviso prévio nem pensar" não acontece desse jeito. O pessoal de RH de empresa grande é chato com essas coisas.

São duas opções, e como eu disse, tem que colocar tudo no Excel e calcular antes de tomar alguma decisão. Mas se houvesse a opção de receber os benefícios da CLT2 todos em dinheiro, eu preferiria... :-)
Wesley | em 24/08/2005 | #
Preciso de um trabalho sobre Benefícios reconhecidos pela CLT!!!.
Rodrigo Strauss | website | em 24/08/2005 | #
Sério? Que bom!
Jessica Reis | em 15/12/2005 | #
Na verdade nao e bem um comentario e sim uma duvida eu recebi esta proposta mas eu queria saber se estas porcentagens sao independentes do valor que e emitido pela nota

Obrigada!!!
Rodrigo Strauss | website | em 15/12/2005 | #
Não entendi sua pergunta...
Ronaldo Alves | em 10/03/2006 | #
E se você fosse CLT - grande empresa e recebesse uma proposta para trabalhar numa média empresa (como PJ) para ganhar salário fixo 45% maior que o atual e com todos os benefícios garantidos (plano de saúde, odontológico, outros convênios diversos, bônus, etc). Toparia?
(acho que eu estou pensando demais, não?).
Grato,
Ronaldo
Ronaldo Alves | em 10/03/2006 | #
Ah!, pro leigo aqui, por favor, o que seria "certificação"?

Grato
Ronaldo
Rodrigo Strauss | website | em 11/03/2006 | #
Como eu disse, é tudo uma questão de colocar todos os detalhes em uma planilha e fazer as contas.

Certificação é algo que o fabricante de uma tecnologia te dá quando você passa em uma prova que, segundo eles, atesta sua competência para lidar com certa tecnologia. Veja mais detalhes em http://en.wikipedia.org/wiki/Professional_certification
Fernando | e-mail | em 07/07/2006 | #
1- Boa Tarde, gostaria de saber qual o beneficio que a empresa pode obter, se pagar a faculdade de um funcionario por exemplo? Esta empresa tem mais ou menos 550 funcionarios e e lucro presumido.

2- Em relação ao IRRF esta empresa pode ter qual beneficio de redução de impostos por pagar a faculdade de seus funcionarios?

SDS,

Fernando.
Rodrigo Strauss | website | em 07/07/2006 | #
Me desculpe amigo, como eu já escrevi no post

"Não se esqueça que eu sou só um programador. Confirme esses dados com seu advogado ou contador antes de tomar alguma decisão."

Se a empresa tem 550 funcionários, eu recomendo ela contrate uma consultoria tributária.
Christophe C. T. | website | em 12/10/2006 | #
Boa tarde, estou procurando na internet algumas informações sobre preço horário em relação ao cargo de programador (caso tenha o preço específico tambem ao nível: Junior, Pleno & Senior) como PJ.

Se possível na cidade de Belo Horizonte, mas pode ser pedir de mais.

Tenho que elaborar uma proposta e só tive algumas indicações de preço e gostaria de saber alguem tem uma dica/informação/artigo/publicação concreta(o).

Muito obrigado!

Christophe.
Rodrigo Strauss | website | em 12/10/2006 | #
Dê uma olhada na http://www.apinfo.com que lá sempre tem umas pesquisas de salário.
Cristina | em 20/10/2006 | #
Estou passando por uma situação complicada e preciso de orientação:

Tenho faltado muito e com constantes atestados médicos apresentados na empresa em que eu trabalho, devido a crises de vesícula biliar. A mesma será retirada pelo plano oferecido pela empresa a qual trabalho em 07/11/06 e todos da empresa estão cientes de minha doença e cirurgia.

Devido as minhas constantes faltas, a minha gerência decidiu me demitir.

Estou com medo de ser demitida antes de conseguir realizar a operação, pois perderei o direito de me operar (plano empresa).

Preciso saber, urgentemente, se há alguma lei na CLT que impeça a empresa de demitir um funcionário portador de patologia e prester a se operar.

Atenciosamente,
Cristina.
Marcos Pereira | em 24/01/2007 | #
sou formado a pouco tempo, gostaria de imformações onde procurar consultorias para trabalhar com PJ. Alguém pode me ajudar?
Rodrigo Strauss | website | em 24/01/2007 | #
www.apinfo.com
Ricardo Soares de Oliveira | website | e-mail | em 09/02/2007 | #
Trabalho em uma empresa mais estou recebendo beneficio.pois estou com problema de coluna devido ou serviço. mais a pergunta e o seguinte tenho direito a receber a participação de lucros da empresa.
Jaime | website | e-mail | em 26/02/2007 | #
Bom dia Gente,
Trabalho a mais de 5 anos como PJ e estou de acordo com o texto original do Rodrigo Strauss. Os dois regimes apresentam resultados financeiros semelhantes. Trabalho como PJ em uma grande empresa de BSB que me dá férias remuneradas, 13o e plano de saúde. Claro que ela é uma em 1000, mas se procurar acha. O Rodrigo faz uma consideração muito importante, trabalhar como PJ só é bom se você for muito organizado. Apesar de você ter direito a sair da empresa de um dia para o outro, a empresa também tem o mesmo direito de te trocar de um dia para o outro. Você precisa realmente se preocupar com seu plano de saúde e previdência privada e guardar algo semelhante ao FGTS. Sinceramente prefiro trabalhar como PJ.
Abraços a todos.
Roberto | em 07/03/2007 | #
Boa tarde, Alguem pode me ajudar?

Sempre trabalhei como CLT, agora recebi uma proposta de uma empresa para trabalhar como PJ, gostaria de saber qual a porcentagem que utilizo para transformar o salário que hoje eu recebo como CLT para ver se é compensatório´passar para PJ.
Rodrigo Strauss | website | em 12/03/2007 | #
Leia novamente a parte "Custos para o funcionário"
Leonardo | em 26/04/2007 | #
Ola, gostaria da opniao de voces.
Moro em São Paulo e trabalho atualmente como CLT, ganhando R$3.700,00(liquido), mais 13, participacao nos lucros(1 salario), plano de saude e refeicao paga. Recebi uma proposta para trabalhar como PJ ganhando R$40,00 a hora. Vale a pena trocar meu emprego CLT pelo PJ?

obrigado
Rodrigo Strauss | website | em 27/04/2007 | #
Leonardo, coloque tudo em uma planilha (salário - descontos + benefícios), anualizado (se vc tem 13º, multiplique seu salário por 13 no caso do CLT) e compare.
Fernando | em 06/05/2007 | #
Pelos comentários que li acho que tenho sorte, trabalho numa empresa como PJ e é assim:

- 30% a mais no salário comparado ao CLT (não é muito eu sei)
- Tenho a mesma "garantia de emprego" e estabilidade e tratamento que um CLT
- horário flexível
- Salário fixo, não descontam as horas que falto ou feriados que emendo, nem ganho menos em fevereiro por causa de menos dias ou carnaval
- Plano de saude top do qual pago 20% do valor
- Participação nos lucros igual ao CLT (pelo que li nos posts eh uma coisa meio rara)
- Certificações pagas (se você passar é claro)
- 50% do curso de idiomas
- 13o salario e ferias remuneradas

Teve um amigo da empresa que sofreu um acidente e ficou meses em casa, é PJ e continuou recebendo seu salário.

Eu prefiro PJ, deposito um valor em aplicação equivalente ao que eu teria de FGTS pela empresa todo mês, e qquer aplicação rende mais que o FGTS do governo, apenas coloquei na cabeça que não vou mexer nesse dinheiro até aposentar.

Pago minha própria previdência, o teto de pagamento mensal do governo (300 e pouco) me dá muito mais que os 2400 que o INSS poderia pagar, e se quiser qdo aposentar tiro todo dinheiro de uma vez, ponho em outra aplicação e uso somente a renda.

Com o que sobra do salario que eu pagaria impostos eu ainda aplico pra comprar alguma outra coisa a curto prazo, como casa ou carro.

Pra mim, PJ eh muito melhor.
Leandro | e-mail | em 10/05/2007 | #
Acabei de entrar em uma empresa como PF, acontece que agora querem me passar para CLT e estou em duvida.

Acabei de assinar os papeis de um apartamento que esta sendo construido, fiz todos os meus calculos atraves de PJ e terei menos grana agora, estou preocupado.

Existe uma especie de formula que apresente uma relaçao do tipo:

Salario CLT = x
Salario PF = x + y

Quer dizer, algo que nos oriente a tomar uma decisao?

Obrigado,

Leandro
Rodrigo Strauss | website | em 10/05/2007 | #
Leandro, as fórmulas que você precisa estão estão no post.
neusa mendes xavier | e-mail | em 18/05/2007 | #
Eu sou aposentada e não só quero, mas preciso ganhar um dinheiro extra urgente. Sou candidata ao trabalho. Por favor responda-me.
Rodrigo Strauss | website | em 18/05/2007 | #
Você bebeu varsol?
Alessandro | e-mail | em 18/07/2007 | #
Seguinte,

Trabalho em uma empresa modelo PJ, e recebo 5750,00 + 21 dias de férias remuneradas.

Recebi uma proposta para trabalhar em uma outra empresa,,, muito maior do que a atual,,, e com potencial de crescimento profissional que na atual não tenho. O salário é de 5350,00 CLT.

Vale a pena será? Atualmente o líquido é de 4800,00. Qual seria o líquido mudando para CLT (líquido já contando o desconto do FGTS)???

Obrigado.
Isaac Nemach | e-mail | em 27/07/2007 | #
Olá, sempre trabalhei como CLT a atualmente estou num emprego como PJ.

Tenho dúvidas sobre de quanto realmente do salário é descontado:

- O contador apenas me instrui para ir juntando notinhas com despesas com alimentação e transporte. Ele disse que isso é abatido. Procede?

- Pró-Labore, em geral é de quanto?

- Se eu ganho 3000, qto realmente sobra para mim líquido?

Obrigado.
Rodrigo Strauss | website | em 27/07/2007 | #
Isso é um blog sobre programação feito por um programador, que as vezes escreve sobre coisas que não são programação.

Para detalhes jurídicos e contábeis, consultem um contador ou um advogado.
Eder Rodrigues | e-mail | em 28/08/2007 | #
Rodrigo, boa tarde!

Cara, estou lhe perguntando pq não conheço outra pessoa que trabalhe como PJ...

Quando vc é PJ tem q declarar imposto de renda para PJ, óbvio... rs... Mas no fim das contas vc acaba tendo que pagar "a mais" ou vc restitui algo?

Veja bem, é uma pergunta de colega pra colega, não estou preocupado com detalhes jurídicos...

Obrigado
Rodrigo Strauss | website | em 28/08/2007 | #
Você só paga o IR da nota fiscal e o trimestral (os 4,8% que eu falei), nada a mais, nada a menos. Não tem restituição e seu IR pessoal passa a ser feito pelo contador. Eu nunca fiz imposto de renda na minha vida pq sempre trabalhei de PJ, então sempre tive contador pra fazer.
Bibiana | em 19/09/2007 | #
Olá, eu nao sou programadora mas acho que tu poderia me ajudarpelo fato de entender bem desses assuntos burocráticos. Seguinte: eu trabalho numa empresa (pelo que entendi lendo as conversar aqui, o meu chefe é uma PJ), mas a empresa tem o LTDA no fim (nao sei se tem a ver!!!). Em fim, eu fiz um acordo para que ele nao assinasse a minha carteira, pois pretendo sair da empresa em fevereiro de 2008 (trabalho aqui desde maio de 2008). Recebo 400 reais, mais vale transporte (78 reais) mais vale refeição (5,00 por dia pra almoçar). Trabalho de segunda a sexta feira, das 9hs às 18:30hs, com 1 hora de almoço. Bom, eu acho que o cara ta me fazendo de troxa, até pq quando falei em "reajustar o meu salario", já que ele nao iria assinar a minha carteira, ele disse que o que eu teria de direito a mais seria mais ou menos uns 50 reais, no caso o meu salario no final do mes nao seria de 400 reais e sim de 400 e pouco!!! É piada né?? Pior que não... Quero fazer uma proposta decente pra ele, mas to meio perdida... por favor, me dá uma luz!!! Obrigada!!!
Bibiana | website | em 19/09/2007 | #
Opa, trabalho desde maio de 2007!!!
Rodrigo Strauss | website | em 19/09/2007 | #
"Não se esqueça que eu sou só um programador". Não sou a melhor pessoa para te dar conselhos sobre negociação de salário, nem entendo de leis.

Procure um advogado trabalhista, mas peça indicação, pois existem muitos advogados trabalhista pilantras. Muitos mesmo.
Bibiana | website | em 19/09/2007 | #
:(
Josiane | em 26/10/2007 | #
Oi Rodrigo, seguinte considerando que como PJ terei também 13º, Férias e 30 para recisão de contrato(equivalente ao aviso prévio)e considerando todos os gastos e beneficios que teria como PJ e CLT(INSS, FGTS, IR...) qual seria uma relação entre um salário PJ e CLT para que sejam equivalentes no final das contas? Exemplo: 1500,00 CTL pra compensar deveria ser X como PJ, 2500,00 CLT, deve ser XX como PJ. Queria uma razão/formula PJ/CLT pra eu poder fazer alguns cálculos, da mesma forma que faz uma pra salario liquido e bruto. Aguardo obrigada.
LINEMEIRE | e-mail | em 17/11/2007 | #
GOSTARIA QUE ENVIA-SE PARA O MEU E-MAIL NOVIDADES ÁREA JURIDICA.
Marcos | website | em 16/12/2007 | #
Eu já trabalhei como CLT, Cooperativa e agora PJ.

Além da diferença salarial entre os três modelos, existem outros aspectos a considerar na hora da escolha:

- Liberdade de ir e vir: você terá flexibilidade de horário? Eu sempre tive nos três, mas normalmente CLT não te dá isso;

- Tratamento perante os demais: teu chefe vai soltar o grito só porque você é Cooperado/PJ ou vai te tratar como um funcionário CLT que pode recorrer aos seus direitos caso se sinta prejudicado? Nunca tive problemas graves deste tipo, mas é visível a diferença de tratamento entre trabalhadores Cooperados/PJ e CLT;

- Carreira (aqui entra a questão salarial): em qualquer uma das três modalidades, quais são as chances de você crescer profissionalmente? A barreira entre o cargo/salário atual e o novo existe em todos os três tipos de contratação, mas normalmente o CLT para ganhar mais precisa mudar de cargo, já o PJ/Cooperado basta exigir um valor hora mais alto.

E a pergunta que não quer calar: qual é a melhor?

A resposta: pegue um papel, um lápis e faça três colunas. Descreva tudo o que ganharia de uma forma e de outra. A que pagar mais no final (somando tudo (FGTS, 13o, Férias, VR, VT, etc)) tem grandes chances de ser a melhor. :)

Até +.
Caio Barba Andrade | website | em 03/03/2008 | #
Parabéns pelo post!!!

Muito bom e esclarecedor.

Uma contribuição:
No site www.apinfo.com você pode fazer o download de uma planilha excel que compara CLTxPJ. É muito útil para ajudar na decisão.
Roberto | em 22/04/2008 | #
mais uma contribuição..
o site www.calculador.com.br mostra alguns calculos de impostos sobre salários.

Continuo fazendo a conta salario liquido x 1.65 pra saber um valor justo para salario pj.

Alex Fabiano Batista | e-mail | em 14/05/2008 | #
Como já dito anteriormente, depende da empresa em que se trabalha, no meu caso estou como PJ, mas recebo até 14 salários no ano, trata-se de um incentivo que recebo duas vezes ao ano que poderia ser até 1,2x o meu salario, só que meu gerente limitou este valor até 70%, ou seja este ano já recebi um bonus de 1 salario. Outra coisa é o feriado e férias coletiva no fim de ano, estas datas eu tb tenho feriado, emendamos todos e as ferias coletiva tb tenho direito e não é descontado nada, No meu caso vale a pena trabalhar como PJ, apesar que como CLT ia possuir muitos beneficios, até auxilio academia tem, mas o salario como clt é baixo, abaixo do mercado. Como PJ recebo 1,8x o salrio de CLT mais o bonus, afinal depende de onde se trabalha.
Moises Maltez | em 09/06/2008 | #
Eu o penso que a CLT é a forma de contrato de emprego mais apropriado, pois as cláusulas trabalhistas representam garantias minimas na relação capital x trabalho. Enquanto o mundo inteiro luta pela ampliação dos direitos trabalhistas, nós brasileiros parecemos estar na contra mão da história, ou seja , após conquistarmos um código organizado de normas, as custas de muitas lutas e que levou anos pra ficar pronto, agora nós trabalhadores, empregados queremos simplesmente rasgar esse código, dizendo : "não precisamos disso".
A contratação de empregado pessoa juridica, ou PJ, como preferirem, não existe, pois um dos elemntos fatico-juridico para realização de contrato de emprego é que o empregado seja pessoa natural, portanto pessoa física e não PJ. Sendo assim é FRAUDE ao cubo!
Além do mais o que a maioria dos empregados não se dão conta é que a remuneração de PJ é uma ilusão, pois a maioria deixa de recolher o INSS pela aliquota e faixa correta e outros até mesmo não recolhem, ou seja, se o "PJ" sofrer um acidente grave e precisar ficar afastado quem vai remunerá-lo? Ou caso precise se afastar definitivamente por invalidez, quem vai remunerá-lo pelo resto da vida? Quando se é jovem não costumamos considerar essas hipóteses, mas elas ocorrem com muita frequência. A maioria dos "PJs" também não pagam imposto de renda pessoa física, isso vem gerando um passivo enorme na receita federal, conheço "PJs" que foram condenados a pagar dividas ao fisco justamente pro deixar de pagar durante anos o IR de pessoa fisica. Além do mais os benefícios de FGTS,FÈRIAS e13º SALARIO representa muito mais para o empregado do que imaginamos, por exemplo, o o dinheiro do FGTS pode ser utilizado para compra de imóvel, caso de doenças graves ou recisão de contrato, quando é cobrado uma multa de 50% do empregador, sendo 40% revertido para o empregado dispensado sem justa causa. Isso é para inibir o empregador de demitir os seus empregados, assim como o décimo terceiro e férias também contam como verbas recisórias.
Não vamos entrar nessa de que o PJ é vantagem porque ao invés de entregar o dinheiro pro governo administrar você mesmo vai administrar, não é por aí.
Essa de dizer que o encargo trabalhista para o empregador pode chegar a 230% , desculpe, mas não é verdade, o máximo que o empregador paga de encargo é 78%, que eu já considero bastante alto, o resto é benefício extra, não obrigatório, que geralmente é compesado para o empregador em forma de isenções ou reduções de IR.
Rodrigo Strauss | website | em 15/06/2008 | #
Eu não disse que o encargo é de 230%, e sim o custo.
Roberto | em 09/07/2008 | #
PJ não é contratação de emprego, é prestação de serviço. Portanto, apesar de não saber nada de direito, creio que você enquanto PJ não é empregado de ninguém, é uma "empresa" (mesmo que de um cara só) prestando serviços para outra empresa.

O problema é que as coisas se disvirtuam de suas origens. As empresas perceberam que era mais barato e mais rápido contratar "funcionários" por este esquema.

Concordo com os benefícios da CLT, porém será que não estamos sendo eternamente paternalistas? Deixando para os outros (empregadores) a responsabilidade de cuidar do nosso dinheiro?

Concordo que impostos tenham que ser pagos para que o Governo dê em retorno educação, saúde, moradia... E, até onde estou vendo, PJ também paga impostos, não?

Como o próprio autor do texto disse, cada um dos sistemas tem seus prós e contras. Cabe cada um decidir por qual caminho percorrer.

Maltez | em 10/07/2008 | #
Se vc contrata uma empresa de "um cara só" está caracterizado vinculo empregatício, na verdade vc está contratando o cara, "intuito persona" elemento fático-juridico da relação de emprego e sendo assim só poderá ser regido pela CLT. Além do mais o argumento de que PJ não é empregado de ninguém, sabemos que não é bem assim, nessas relações existe subordinação e habitualidade, ou seja, geralmente vc tem cumprir horários e está subordinado a um chefe, supervisor, gerente que te ordens direta. Isso não é prestação de serviço é fraude!
Helio R. de Freitas Jr. | e-mail | em 30/01/2009 | #
Caro Ronaldo: Quanto ao custo total para o prestador de serviço, você relacionou somente os encargos da N.F.. A P.J. não paga nada para o INSS? Outra coisa: todo mundo precisa declarar I.R.. Você considerou o desconto do imposto na declaração de pessoa física ( este desconto esta além dos 13,3%!). Um abraço. Helio.
Carlos | e-mail | em 28/09/2009 | #
CAIA FORA DO PJ, É PURA ILUSÃO
CUSTO PJ:
CUSTO DE ABRIR EMPRESA, PAGAR MENSALMENTE UM CONTADOR, PAGAR O IRPJ (MUITOS NÃO PAGAM E VIRA BOLA DE NEVE), PAGAR O INSS DO SÓCIO (PRÓ-LABORE), PAGAR O INSS E IRPJ SOBRE A RETIRADA PESSOAL. COMO ASSIM?
O DINHEIRO QUE VOCÊ RECEBE, NÃO É SEU É DA EMPRESA, OU SEJA, O LUCRO É SOMENTE DELA.
SE VOCÊ VAI PAGAR O COLÉGIO DOS SEUS FILHOS, SUA A CONTA DE ENERGIA, PRESENTE PARA A MÃE, IR AO MERCADO, ETC ETC ... NÃO PODE, É ILEGAL.
SE CAIR NA MALHA FINA DA RECEITA FEDERAL VAI PAGAR UMA SENHORA MULTA SOBRE ESTES GASTO NÃO COMPROVADOS COMO DESPESA DA EMPRESA.
RESUMINDO, VOCÊ NÃO PODE PAGAR SUA GASOLINA COM O DINHEIRO DA EMPRESA. ESTE DINHEIRO É DA EMPRESA, NÃO PODE SER GASTO.
TÁ VENDO POR QUE ALGUNS GOSTAM DE SER PJ, GASTAM O DINHEIRO QUE NÃO É SEU, E ANÃO DERAM CONTA DISTO.
QUER SER PJ, TEM QUE GANHAR NO MÍNIMO O DOBRO PARA IGUALAR MAS A ESTE CUSTO, PESSSOALMENTE, PREFIRO SER CLT, TER DIREITO A FÉRIAS E SABER QUE POSSO FICAR DOENTE OU SOFRER ALGUM ACIDENTE, O QUE NÃO SERIA POSSÍVEL COMO PJ.
O PJ TRABALHA GANHA, NÃO TRABALHA NÃO GANHA.
O CUSTO PARA A EMPRESA DE UM TRABALHADOR CLT É DE 78% DO SALÁRIO, MAS BOA PARTE RETORNA NA DECLARAÇÃO DE RENDAS.
JÁ O PJ NÃO TEM CUSTO POIS ELE PAGA ESSA OBRIGAÇÃO QUE SERIA DA EMPRESA.
OUTRA COISA, MUITAS EMPRESAS OBRIGAM VOCÊ A ABRIR UMA CONTA PESSOA JURÍDICA AUMENTANDO SUA DESPESA.
QUER UM CONSELHO, CAI FORA DO PJ, GANHE MENOS MAS SE SINTA UM CIDADÃO RESPEITADO.
É BOM TER FÉRIAS E MELHOR AINDA NÃO TER O TRABALHO DA CONTABILIDADE E PREOCUPAR COM AS DATAS DE RECOLHIMENTOS DOS IMPOSTOS. O MELHOR É VER SEU SALÁRIO SER DEPOSITADO DO QUE EMITIR NOTA FISCAL, ESPERAR RECEBER, PAGAR IMPOSTOS E ACHAR QUE SOBROU MUITO (É ILUSÓRIO).
QUEM AVISA AMIGO É.
Rodrigo Strauss | website | em 01/10/2009 | #
Respeito suas opiniões, mas ainda prefiro ser PJ. Eu tenho férias mesmo como PJ e recebo quando não trabalho por motivo de doença.
Junior | em 06/10/2009 | #
Para quem tem uma proposta CLT de R$ 3.500,00, quanto essa pessoa recebia hoje?
Somente com encargos de INSS e IRPF.
E para ser PJ e tirar em torno disso de quanto deve ser a proposta?

Obrigado.
L@!r M@r+3$ | em 22/12/2009 | #
Duvido que se uma pessoa ficar doente 1 mês vai receber o salário. Mesmo ficando na Caixa é melhor que nada. E tem seguro desemprego. O problema é que ser PJ antes era um diferencial. Era pra pessoa ganhar mais mesmo porque era um profissional diferenciado e poderia até prestar serviços para outras empresas simultaneamente. Hoje, qualquer programador junior passa nota de 2K reais. O que era uma forma de empreendedorismo virou pura fraude. Só caio nessa se não tiver alternativa. Eu tenho empresa inativa porque uma coisa é certa: CLT não é garantia de nada. Qualquer coisa, posso correr. Mas afirmo que isso é fraude e, fosse o Brasil um país sério com uma justiça que funciona, todos os direitos seriam recuperados no tribunal do trabalho. A única razão para isso não acontecer é a morosidade da justiça onde um processo pode durar, por baixo, 20 anos. Tem gente iludida com isso (sinceramente, não acredito que seja o caso do Rodrigo). Pessoal, isso é para poucos. Sigam o conselho do Rodrigo e vejam se isso realmente se encaixa em seu perfil. Veja se sua criação familiar permite que vc. faça uma reserva (tem gente que nunca teve nada na vida e quando vê dinheiro na mão sai gastando). Pagar trimestral, ISS é roça! Pagar mais de 3k reais por ano pro contador não vale a pena. Acho que no Brasil não vale a pena ser PJ.
Fábio | em 19/02/2010 | #
Nunca trabalhei PJ e creio que em muitos casos compensa financeiramente. O problema é que todo mundo sabe que é ILEGAL, UMA FRAUDE. É a mesma coisa de entrar numa empresa sabendo que ela falsifica nota fiscal ou que coloca um cargo doido na carteira pra justificar seu salário baixo. Vale à pena? O dinheiro pode valer, mas não sei se vale o risco.
Rodrigo Strauss | website | em 21/02/2010 | #
Qual seria o risco? Até onde eu sei só existe risco para empresa contratante se um fiscal do ministério do trabalho autuar a empresa. Não sou advogado para dizer se é ilegal ou não, mas com certeza não pode ser comparado com falsificação de nota fiscal. PJ é como uma terceirização, o que é totalmente legal.
Rodrigo Menezes | em 16/03/2010 | #
Galera, existem alguns sites que simulam e explicam como projetar estes valores. Um muito interessante é http://www.calculopj.com.br

Espero ter ajudado.
Alessandro Pires | e-mail | em 28/05/2010 | #
Bom dia, tenho pedra na vesícula que pretendo me operar entre junho e julho e uma tenossinovite no nervo unar do pulso da mão direita, posso ser demitido?
Jr | em 17/06/2010 | #
Rsrsrs, Alessandro Pires pra ser demitido é só estar empregado
Souza | em 25/06/2010 | #
Como Rodrigo falou, cada um tem que analisar seu caso. PJ é empresa, logo tem que pensar como empresário ou ficar mesmo na CLT. Na CLT, previdência tá falida, FGTS tem rendimento menor que poupança, IRPF aumenta todo ano. Entendo que para o profissional com perfil empreendedor o PJ pode ser uma boa alternativa, pois passaria a controlar de forma mais eficiente o que hoje é mau feito pelo governo (educação, previdência, saúde, etc). Porém para compensar, tem que fazer as contas e um bom contrato com o cliente, logo, o profissional precisa ser diferenciado, ou não terá poder de barganhar. Hoje sou CLT, tenho um bom salário, carro da empresa e outros benefícios e pretendo sair da empresa. Estou pensando em ser PJ, mas a maioria dos meus clientes preferem contratar como CLT para ter exclusividade.
Kassius | em 25/06/2010 | #
Toda a questão financeira é importante sobre o ponto de vista de qual será a melhor opção. Só há um meio de saber: fazendo as contas de forma anualizada. Ah, e não se esqueçam do 1/3 de férias + outro 1/3 de abono se você vende 10 dias das suas férias no caso da CLT. Agora, para mim, a questão mais importante a ser considerada para quem está iniciando a carreira não é a financeira e sim a possibilidade de crescimento profissional na empresa. Esse fator é, na maioria das vezes, negligenciado pelo analista/programador e é muito mais importante que a proposta financeira. Ex.: Mesmo que financeiramente seja pior, escolha a empresa e principalmente um LÍDER que poderá fazer a diferença na sua carreira, ou seja, que te desafie diariamente e te dê realmente suporte para crescer profissionalmente. Fuja dos chefes medíocres e que só querem te explorar. Quem já caiu em uma "fria" dessas, sabe do que falo e que, por inexperiência cair, saberá quando estiver vivendo essa situação.
Rodrigo Strauss | website | em 29/06/2010 | #
Souza:
não acho que quem trabalha como PJ precisa pensar como empresário. Você ainda é funcionário, só recebe de outra forma. "bom contrato com o cliente": você não tem cliente, tem um empregador da mesma forma.

Kassius:
"escolha a empresa e principalmente um LÍDER": não dá pra se basear nisso. Existem empresas "líderes" que são um lixo pra trabalhar. Tem empresa que é líder as custas do esforço descomunal dos funcionários, você não iria querer trabalhar em uma empresa dessas.
Anderson Lima | em 10/09/2010 | #
Bom dia,


Recebi uma proposta de emprego como PJ, atualmente tenho um contrato determinado e que vai vencer agora em outubro. estou na dúvida se começo a trabalhar como PJ ou se fico mesmo como CLT.



O Salario de CLT que tenho hj é bom, e a proposta que recebi da uma diferença de 300 reais a menos..


Estava fazendo umas contas básicas e cheguei a conclusão que atualmente é melhor ficar como CLT por conta dos beneficios, mas por outro lado tem essa questão da liberdade né.



Fernanda Martins | website | em 30/09/2010 | #
Boa tarde Rodrigo,

Hoje trabalho como CLT numa empresa e hoje recebi uma proposta para trabalhar em outra empresa como PJ, posso trabalhar das duas formas em empresas diferentes ?
Consiguiria conciliar as duas sim, pelos horários diferentes de trabalho.

obrigada desde já.

Fernanda Martins
CLETO MUNIZ | e-mail | em 27/10/2010 | #
queria saber quais os direitos rescisorios deste tipo de desligamento.

admissao 12/11/2009
afastamento 26/03/2010 auxilio previdenciario.
faleceu 18/10/2010

ele perde o período aquisitivo? ele tem direito a quantos 12 avos de ferias.

Rodrigo Strauss | website | em 27/10/2010 | #
E eu queria saber se você leu o post.
Ricardo | e-mail | em 12/02/2011 | #
Primeiro de tudo, converse com um advogado e nao de ouvidos a opinioes de anonimos em comentarios, principalmente em um post classico de 5 anos de discussoes.

Pessoalmente acredito que muita gente tem interesse em manter a desinformacao sobre ser PJ e mais ainda sobre os calculos justos para aceitar uma proposta.

Outros sistematicamente levantam uma bandeira da ilegalidade com intuito de assustar os incautos ou por pura inveja.

Ja' vi gente que levantava bandeira de PJ mudar de lado assim que progrediu na carreira e passou a ter que contratar profissionais ou consultorias que fecham contrato com grandes empresas e ameacam mandar embora quem resistir ao CLT.
Andre | website | em 04/08/2011 | #
Cara toda vez que eu leio esses comentários desse post eu morro de RIR.....kkkkkkkkkkkkkkkk
Victor | website | em 24/10/2011 | #
O mais engraçado é como a galera imagina o mundo só como CLT, quer dizer que quem contrata a pessoa é burra? Que ta perdendo dinheiro? PJ é pra quem quer crescer
Valdeci Medeiros | website | e-mail | em 01/11/2011 | #
Eu sou contador por profissão e adoro programação em access. O fato de gostar de programação foi que acabei vindo parar neste site e me deparei com esta enorme discussão pj x clt.

Como contador, atendo um monte de pessoas que acabaram se tornando PJs em empresas aonde trabalhavam ou foram convidadas a prestarem seus serviços a outras empresas.

Vamos dismistificar um pouquinho esta história?

Fato 01: um empregado custa 108% SOBRE o salário que for pago a ele.

Fato 02: um prestador de serviços custa o que exatamente ele ganha/negociou.

Neste link vcs podem ver no ultimo quadro a comparação sobre tudo o que vcs discutiram aqui.

http://www.valdecicontabilidade.cnt.br/legislacao_direito/tr...

Tenho como clientes jornalistas, produtores de televisão, um monte de gente da area de vocês, informatica em geral: programadores, gente que faz sites, etc.

Meus dois filhos trabalham como vcs. São programadores, fazem sites para empresas, etc.

Eu procurei ensinar a eles o seguinte: salários e beneficios??? Melhor os recursos no bolso da gente do que nos bolsos dos governantes safados deste país.

Ensinei a eles que tem que ADMINISTRAR os seus recursos e não o dinheiro!

Outra coisa que ensinei aos dois: TRABALHEM e ESTUDEM se quiserem SER alguém na vida ou TER alguma coisa.

Desculpem as minhas colocações, pode parecer aqui que estou a defender PJ e a condenar CLT.

O problema de muitos Pjs é que NÃO SABEM negociar os seus contratos assim como muitos CLTs aceitam o primeiro emprego e depois ficam reclamando.

Ninguen gosta de matemática???? rsrsrsrsrs

Lamento senhores (as): tratem de aprender a fazer as contas!

Um grande abraço a todos e desde já me coloco a disposição de vcs pra orienta-los com meus conhecimentos contábeis mesmo que vcs não venham a ser meus clientes.
Andre Santos | em 26/12/2011 | #
Opa,

Eu estou pesquisando sobre a forma de Trabalho como PJ, mas conversei com um colega que trabalha em um escritório de contabilidade e ele me informou que para trabalhar como PJ eu não posso trabalhar para apenas 1 empresa, pois ao emitir Nota para apenas 1 empresa o Ministério do Trabalho pode interpretar como Vinculo empregáticio e aplicar multa na empresa.

Gostaria de saber se isso é uma verdade?

Andrea Ferreira | em 29/05/2012 | #
Gostaria de saber se posso receber pro labore e também receber como PJ na mesma Empresa.
Algo a dizer?
Nome:


Site:


E-mail:


Escreva o número vinte e seis:


 Não mostre meu e-mail no site, não serve pra nada mesmo...

Comentário





Os comentários devem ser sobre assuntos relativos ao post, eu provavelmente apagarei comentários totalmente offtopic. Se quiser me enviar uma mensagem, use o formulário de contato. E não esqueça: isso é um site pessoal e eu me reservo o direito de apagar qualquer comentário ofensivo ou inapropriado.
rebarba rebarba
  ::::