logo
Contato | Sobre...        
rebarba rebarba

Rodrigo Strauss :: Blog

follow us in feedly

Minha opinião sobre open source e o governo

Eu sou um programador que trabalha com tecnologia Microsoft. Uso Visual C++, C#. VB, SQL Server, etc. Gosto bastante dos softwares da Microsoft e o método que eles usam para desenvolvê-los. Mas não sou um defensor ferrenho da Microsoft. Existem alguns produtos deles que são ruins, eles tomam decisões erradas e têm algumas posições políticas pouco recomendáveis.

Como todo programador C/C++, sou bastante interessado pelo Linux. Programo em PHP e estou aprendendo Qt/GTK e Mono. Acho muito interessante que ele seja desenvolvido por programadores voluntários, que seja livre e com o código aberto. Mas eu não me importo muito com a ideologia do Linux. Eu tento julgá-lo pela qualidade, e não pelo puritanismo de usar Linux só pelo fato de não ser proprietário ou coisas assim. As empresas gastam dinheiro para desenvolver produtos e vendê-los. E eles querem garantir o direito deles a essa invenção/criação/descoberta usando patentes e coisas assim. Isso é absolutamente normal. (O sistema de patentes norte-americano é ruim e anormal, mas não vou falar disso agora). O software pode ser livre, mas a grande maioria dos outros bens de consumo (considerando que software é um bem) não são.

Eu sou contra a preferência do governo por software livre. E sou absolutamente contra a existência de qualquer lei nesse sentido, porque isso acaba com a concorrência. O critério para escolha de software pelo poder público deve ser o mesmo critério que ele usa para qualquer coisa que compra: preço e qualidade, custo e benefício. Ele não deve se prender a uma determinada "origem", seja ela o pessoal do open source, a Microsoft, a IBM ou qualquer outra empresa.

Além disso, com essa lei, o governo somente deixará de comprar serviços de algumas empresas para comprar de outras. Por acaso a IBM ou RedHat são mais boazinhas do que a Microsoft só porque promovem o Linux? O custo da licença de um software é só uma fração do seu custo ao longo do tempo. Além disso temos o custo de suporte e atualização. Isso quer dizer que, ao invés do governo ficar amarrado com a Microsoft, ficará amarrado com a IBM, RedHat, Conectiva ou qualquer empresa que trabalhe com Linux. É correto privilegiar essas empresas e seus parceiros? Uma empresa que dá suporte (help desk) Linux não necessariamente contribui com a comunidade open source. Por que uma empresa dessas deve ter preferência em detrimento de uma empresa que dê suporte Windows?

Mas sim, hoje existe privilégio por parte da Microsoft. As pessoas estão tão acostumadas a usar softwares Microsoft que muitas vezes não param para estudar se existe um alternativa que seja viável. Isso sem contar o orçamento de marketing da Microsoft. Se deve existir uma lei sobre escolha de software, ela deve exigir que o governo faça um estudo de um numero mínimo de alternativas de software para aquele problema específico. Então o governo vai comprar sistemas operacionais? Ok, então que eles façam um estudo da viabilidade de usar Linux ou Windows, estudar o custo-benefício da solução. O Linux é mais barato, mas tem problemas de compatibilidade com hardware e software. O Windows tem compatibilidade 100%, mas tem um alto custo com licenças e te deixa preso com somente um fabricante.

Resumindo, o critério deve ser qualidade e custo-benefício. Querem que o Linux seja usado por todos? Façam com que ele tenha qualidade. Do resto o mercado se encarrega.


Em 21/09/2004 01:02, por Rodrigo Strauss


  
 
 
Comentários
Bruno Saboia | e-mail | em 22/10/2004 | #
Cara, ao meu ver, o governo deveria contratar funcionários especializados em Linux de distros que não tem helpdesk comercial e torná-los técnicos dessa área.

Acho que o maior problema dessa migração de plataforma seria o usuário do governo, acostumado com a simplicidade (e falta de segurança, mas a maioria nem percebe isso) dos OS da Microsoft.

Mesmo assim, eu apóio a iniciativa opensource. Com progamadores dedicados a fazer um projeto sério para o governo, as possibilidades seriam muito maiores do que as conseguidas com o uso das plataformas Windows. E SEM DÚVIDA haveria um diminuição de custos, talvez a longo prazo, mas haveria.
Waplinux | e-mail | em 14/05/2005 | #
Você é mais um infeliz que a Merdosoft corrompeu , o Governo
federal tem seus proprios programadores e quando se usa gpl se
adiquire o Códogo para analise e modificações seu Burro.
Daí pra frenete é com a gente, quem disse que eu gasto um tostão com a atualização do Meu linux , com relação a compatibilidade , estamos progredindo , melhor ainda as empresas de hardware que estão amadureçendo , se não fossemos
tão bons no que fazemos a Merdosoft não estaria tão incomodada
com a revolução linux , e vc provalvelmente deve estar preocuoado com sua carreira escravisada e presa a merdosoft , e com medo de ficar desempregado .
Rodrigo Strauss | website | em 14/05/2005 | #
Primeiramente: antes de aprender uma linguagem de programação você deveria aprender português. Você trabalha no governo? Eu achava que tinha prova de português nos concursos públicos...

>> "quando se usa gpl se adiquire o Códogo para analise e modificações seu Burro"

O que é "Códogo"? Se for código, eu não sabia que os fontes de um software GPL eram "adiquiridos para analise e modificações". Eu li a GPL (sabe o que é isso?), e lá está escrito que você pode modificar os fontes, contanto que publique as modificações. Mas não fala nada de aquisição de "Códogo".

Em segundo lugar, além de aprender a escrever, você deveria aprender também a ler. Eu não disse em lugar algum que há custo para atualizar do "Seu linux", mas existe custo de manutenção e help desk. Você tem alguma idéia de como uma empresa funciona? Você já foi em alguma?

Você faz parte da "banda podre" do Linux, formada pelos fanáticos idiotas que, ao invés de estudar C e C++ para ajudar a comunidade, só sabem falar mal da Microsoft. Vocês, da "banda podre", jogam fora todo o trabalho que os verdadeiros defensores do open source fazem. Quem vai acreditar em um sistema operacional que tem alguém como você defendendo? Eu acredito no open source (leia o post umas 20 vezes, talvez você entenda), só acho que ele deve se "vender" por seus méritos (que são muitos), não por imposição.
Marcio | em 25/05/2005 | #
"só acho que ele deve se "vender" por seus méritos (que são muitos), não por imposição."

Você entede alguma coisa de leis? licitação? porque o governo escolhe esta empresa ao aquela??

o governo impos até hoje produtos da microsoft, e agora esta impondo linux, para um tentativa de cortar gastos.

obs: Se atenha para a parte tecnica em seu blog, ela está de parabéns, agora criticar uma atitude do governo, dizendo que ele esta impondo o linux sem critério nenhum e ainda por cima dizer que abraça a bandeira do open source, acho que você esta se contradizendo.

Será que o linux é mais barato que o windows? Olha, eu utilizo windows pirata e linux aqui, e você se não utiliza windows pirata provávelmente já utilizou, se eu fosse obrigado a pagar pela utilização do windows com certeza estaria apagando ele imediatamente, economizaria ai uma boa grana com esta atitude. (o linux executa perfeitamente todas as atividades que necessito no meu dia a dia, portanto é sim mais barato para mim usar linux).

Agora para o governo, pelo que conheço algumas das necessidades de softwares, seria pefeitamente viável a utilização de linux com o ituito de economizar com gastos em softwares.

Se você acha uma atitude errada o governo adotar programas e sistemas abertos, então procure utilizar bons argumentos.

ps. acho que você andou lendo aquele banner da microsoft fazendo aquele comparativo sobre o que sairia mais caro? ficar com windows ou migrar para linux?.

acho melhor você rever seus conceitos.
Rodrigo Strauss | website | em 25/05/2005 | #
Sim, entendo de leis e já trabalhei para o governo. Porque as pessoas tem o péssimo costume de já chegar questionando a qualificação? Mas de qualquer forma, vamos lá:

O governo AINDA não está impondo o Linux. Mas o presidente do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, Sérgio Amadeu, está tentando fazer com que isso aconteça. E eu sou completamente contra isso, da mesma forma que sou contra qualquer privilégio para Microsoft. Como eu disse no post, a escolha deve ser feita de acordo com as necessidades e as situações. Não se esqueça que a migração é traumática e complicada, já que toda a experiência que os profissionais do governo têm em Windows será jogada no lixo. E vai custar milhões retreinar toda essa gente. Como eu disse no post, todo o custo envolvido deve ser pensado.

Não é muito melhor fazer uma lei dizendo que os órgãos do governo são obrigados a fazer um estudo entre os sistemas operacionais antes de escolhê-los? Não sei se essa solução funcionaria, mas é melhor do que a proposta do Sérgio AmaLinux.

O Windows ser mais barato do que o Linux a longo prazo ou não ser é outra discussão. Eu só acho que o governo deve fazer um estudo desses e ver se esses estudos da Microsoft ( http://www.microsoft.com/windowsserversystem/facts/casestudi...) são verdadeiros ou não. Pode ser que não sejam, já que a própia fonte é viciada.

Eu acho que a utilização do Linux pelo governo é completamente viável. Além do mais, em nenhum lugar eu escrevi o contrário. Eu acho que uma lei que exija isso é algo estúpido. Não sou contra a adoção do software livre pelo poder público, acho que isso poderia ser bom e algumas situações. Acho que o governo deveria acompanhar de perto a implantação do Linux dentro da Novell, que é uma empresa gigantesca. Assim eles teriam mais dados para analizar.

Eu não abraço causa nenhuma, nem a do Linux, muito menos a causa (inexistente) da Microsoft. Vejo isso pelo lado puramente mercadológico e pelo prisma do custo-benefício (como eu deixei claro no post).

Eu costumo me informar sobre os assuntos, e quando eu achar necessário rever meus conceitos, eu farei, com certeza. Afinal, não sou um xiita abraçador de causas, sou um programador. Eu prefiro a plataforma que eu me sinto mais a vontade para programar, e isso pode mudar com o tempo.
Hugo Parente | em 11/12/2005 | #
Ao meu ver a lei não precisa especificar o SO, mas precisa especificar a necessidade de poder ter acesso ao código fonte (em alguns casos como a necessidade de acesso ao código fonte do SO é necessário tb, para auditoria, etc), assim o governo não ficará refém de uma determinada empresa, seja ela qual for.
Rodrigo Strauss | website | em 11/12/2005 | #
Não acho que o acesso ao código fonte seja essencial, até porque o governo não tem pessoal treinado para manipulá-lo (ou mesmo só para olhar). Existem contratos para resolver esse tipo de problema. Não sou contra o open source, mas obrigar o open source às cegas eu acho uma má idéia.
Suporte Técnico Linux | website | em 16/07/2007 | #
Concordo em parte com o Rodrigo Strauss, porém lembremos que o Linux é utilizado exatamente por aqueles que de outra forma estariam pirateando o Windows 2003 (no caso de Servidores). Por ser um empresário sei que a situação financeira do país está dificil de se lidar. Se olharmos apenas pelo prisma do software em sí, sem levarmos em consideração as reais necessidades das empresas, estaremos fazendo vista grossa a um problema maior que é a grande carga tributária que as empresas vivenciam atualmente. Garanto a vocês que se o custo de 35% de impostos fosse realmente utilizado no desenvolvimento, como os outros países já o fazem, não estariamos discutindo a questão do Linux ou Windows.
Algo a dizer?
Nome:


Site:


E-mail:


Escreva o número vinte e seis:


 Não mostre meu e-mail no site, não serve pra nada mesmo...

Comentário





Os comentários devem ser sobre assuntos relativos ao post, eu provavelmente apagarei comentários totalmente offtopic. Se quiser me enviar uma mensagem, use o formulário de contato. E não esqueça: isso é um site pessoal e eu me reservo o direito de apagar qualquer comentário ofensivo ou inapropriado.
rebarba rebarba
  ::::